#foodtips

NA DIETA FORA DE CASA – Oficina Garní

Este restaurante é querido em 2 aspectos: primeiro porque é self-service, ou seja, dá pra ir na hora da pressa e comer o quanto sua dieta permitir; e segundo, pela comida, claro! É tudo visivelmente feito com capricho, sabe? O chef sempre aparece pra conferir os pratos, responder as dúvidas dos clientes, e repor o que estiver faltando. Mas a área das saladas é, com certeza, a melhor parte. Tem uma variedade muito boa de vegetais cozidos, molhinhos sem gordice, receitinhas com beringela, abobrinha, e uma mini omelete saudável (às vezes de ricota e espinafre, às vezes só de verdura).. Tudo com um tempero incível! Você completa com a proteína que quiser e pronto, tá feliz e de consciência tranquila!

Gostou né? Tem mais: o preço é bem em conta e o lugar, agradável. E eu devia ganhar comissão por essa propaganda toda. Hahahaha

O nome do restaurante é Oficina Garní e fica na R. João Câncio da Silva, em Manaíra.

Photo 23-10-14 10 04 31É tão bom que a gente exagera!

Meu beijo e #vamofingirqueeunãoalmoceigordiceontem !

Receitinha: Queijo Cottage

Incrivelmente fácil de fazer, esse queijo é o melhor cottage que já experimentei, fica surpreendentemente saboroso e saudável. Mais uma vez, é um jeitinho bem válido para fugir dos conservantes, acidulantes, etc..

Você só vai precisar de:

  • 1L de leite integral
  • Vinagre ou suco de limão puro
  • Temperos à gosto

Photo 30-09-14 16 07 01

Coloque o leite no fogo e, assim que começar a ferver, desligue. Vá acrescentando um pouco de vinagre até o leite começar a coalhar (dá mais ou menos umas 5 ou 6 colheres de sopa, dependendo da marca do vinagre) e mexa. Quanto mais tempo passar mexendo, mais cremoso o queijo fica. Salpique sal e despeje em uma peneira. Deixe o soro secar. Quando estiver seco, coloque em um potinho e misture com os temperos que preferir – usei orégano e pimenta do reino. Pronto! É só guardar na geladeira e comer quando quiser.

Photo 30-09-14 16 13 42

A má notícia é que não rende muito, mas considerando que a validade do queijo caseiro é bem mais curta que a de um industrializado (por volta de 3 dias), não é tão ruim assim. 🙂

Photo 30-09-14 16 37 29

Agora é só de deliciar naquela boa torradinha integral com peito e peru e o seu queijinho novo. Bom demais!

Bejio!

Na dieta fora de casa – Levíssimo

Esse restaurante é paixão antiga, amor à primeira vista, meu queridinho da cidade inteira: Levíssimo. Quem nunca ficou impressionado como eles conseguem deixar um prato de salada mais gostoso que muita lasanha por aí? #euacho! Isso não é propaganda do lugar (até porque não ganho nenhum tomatinho cereja falando deles por aqui 😦 ), é propaganda da comida saudável! Podem dizer que o excesso de molho tira a “leveza” da salada, mas a verdade é que continua sendo salada, e continua sendo melhor que aquele hambúguer de domingo.

Pra quem ainda não conhece, fica na rua da quadra de Manaíra, indo pela Edson Ramalho, dobrando à esquerda no empresarial de esquina em frente à Perfil.

Tá aí a dica: salada grande de frango por mais ou menos R$34,00. Serve de 2 a 3 pessoas (depois que diminuíram de tamanho, eu diria só 2 mesmo) e tem a opção individual, mais barata. Outras combinações, inclusive só de verduras+frutas ou até de crepe, são oferecidas, mas nunca testei nada além das 2 saladas de frango e 1 de camarão, todas recomendadíssimas.

Photo 01-10-14 18 12 56Meu beijo e boa dieta!

Molho de tomate caseiro

Essa receita é amor em todos os sentidos! Prática, saudável e deliciosa. Você vai querer meter molho de tomate em tudo que é comida e até comer puro com uma torradinha só porque sentiu o cheirinho.

Ingredientes:

  • 1kg de tomate orgânico
  • 2 cebolas orgânicas
  • Azeite
  • Vinagre
  • Temperos à gosto

tomate

Basta deixar a cebola dourando no azeite enquanto bate os tomates no liquidificador, e depois depositá-los na panela e deixar ferver até “secar” um pouco o líquido. Coloque os temperos de acordo com a própria vontade (não precisa de sal, mas quem quiser também pode!) e um pouco de vinagre no final só para tirar a acidez. Quando ficar mais grosso, tá pronto! Basta guardar na geladeira e se deliciar com essa maravilha 100% saudável.

Photo 23-09-14 18 57 44Beijo!

Na dieta fora de casa – Quiznos

Todo mundo sabe que é super difícil se manter na linha quando sai de casa né? Não faltam opções de fast food e demais gordices, mas aquelas mais saudáveis a gente conta nos dedos!

Aqui em João Pessoa – graças a Deus! – o mercado de alimentação saudável tem crescido bastante, e prova disso é que até no shopping, depois de bater perna, fazer comprinhas ou ir ao cinema dá pra comer uma saladinha deliciosa por uma pechincha! O Quiznos fica na praça de alimentação do Manaíra Shopping e tem como carro chefe os sanduíches – que não cheguei a provar -, mas no cardápio dá pra encontrar algumas opções de salada também, em tamanho grande ou pequeno. Pedi a pequena, de Frango Ceaser por R$ 8,50 e gostei tanto que vim aqui dar a dica. Tem bastante molho, o que é um ponto forte pra quem ainda tem ressalvas com “comer folha”, mas um pouco fraco no quesito light; e é realmente pequena, mas vale a pedida. 😉

Photo 08-09-14 13 22 09Vou tentar compartilhar mais dicas como essa por aqui, uma forcinha a mais pra gente deixar a jacada cada vez mais rara!

Beijo, gente

Macarronada do bem

Essa é pra quem adora uma boa macarronada no final de semana, mas quer poder saborear essa belezura sem (tanta) culpa.

Nas fotos, o macarrão é daqueles de “concha” e comum, mas pode ser facilmente substituído pelo integral, mais saudável e rico em fibras.

Infelizmente, eu não sei as porções e quantidades exatas, fiz “no olho” com a minha cunhada e acabou dando certo, então minha dica é: faça bastante, você vai querer repetir!

Ingredientes:

  • Macarrão
  • Molho de tomate
  • Creme de ricota
  • Espinafre
  • Azeite
  • Dentes de alho
  • Queijo mussarela

Cozinhe o macarrão “al dente” e deixe esfriando à parte. Refogue o espinafre no azeite com alho até ficar bem molinho e aí misture com o creme de ricota. Tempere à gosto, com sal ou outras especiarias.

Photo 26-06-14 12 25 33

Photo 26-06-14 12 25 57

No caso do macarrão de concha, recheamos um por um com o creme de ricota e espinafre. Com o macarrão integral, é mais fácil fazer em camadas – uma de macarrão, uma do creme, outra de macarrão e, por fim, o molho de tomate.

Por cima, colocamos o queijo, orégano e pimenta-do-reino preto e mandamos pro forno. Pouco tempo, só para derreter o queijo mesmo.

Photo 24-06-14 20 16 39

Sinceramente, fica de comer rezando!

Outra dica é: use o molho de tomate caseiro. Faço sempre aqui em casa e é 10x mais gostoso que aquele pronto do supermercado, sem falar que ficamos livres dos conservantes e eventuais aditivos artificiais, né? Depois coloco a receita aqui, é super fácil!

Agora é só se deliciar, e lembrar que tudo merece moderação.

Beijo!

A culpa não é só sua!

Sabe quando você acha que come “normal” e sem exageros, e mesmo assim aquela gordurinha extra insiste em não sair dalí? Pois é, talvez a culpa não seja só sua.

gordurinha-localizada-baixa

Pra explicar, alguns dados são essenciais. Entre 1976 e 2000, a dieta em geral nos Estados Unidos diminuiu considerável e espantosamente seu nível de gordura em 11% e até mesmo o número de calorias ingeridas em 4%. Mesmo assim, a obesidade no país aumentou em 31% exatamente no mesmo período.

Ou seja, percebeu-se que “engordar” nem sempre quer dizer “ingerir mais gordura”. O fenômeno ficou conhecido como paradoxo americano, mas, na verdade, atinge boa parte do planeta.

O pesquisador Gérard Ailhaud fez outra constatação importantíssima nesse aspecto: a massa de tecido gorduroso em crianças com menos de 1 ano dobrou entre 1970 e 1990 – até os bebês estão mais “gordinhos”! E, nesse caso, não dá pra colocar a culpa no fast food ou na falta de educação física, né? E não, os bebês não estão sendo superalimentados ou algo parecido, eles estão recebendo a mesma quantidade de leite de sempre, independentemente do leite ser materno ou artificial.

bebes enfezados bico_thumb[2]

A explicação vem daquela aulinha de ensino fundamental sobre cadeia alimentar.

Bois e vacas devem se alimentar de pasto. Pasto é rico em ômega-3. Logo, o leite de vaca, todos os seus derivados e a própria carne de boi devem estar concentrados desses ácidos graxos, assim como os ovos de galinhas alimentadas com forragem. Desta forma, nós, ao ingeri-los, deveríamos estar ingerindo também boas quantidades de ômega-3.

O problema é que, com o crescimento demasiado da demanda por laticínios e carne bovina, os criadores de gado tiveram que aderir à criação confinada e abolir a pastagem, ou seja, os animais deixaram de ter um ciclo de vida saudável e passaram a ser alimentados praticamente só de trigo, soja e milho, por sua vez, ricos em ômega-6 e extremamente carentes em ômega-3. Assim, quando nós nos alimentamos de carne bovina e seus derivados, estamos consequentemente nos entupindo de ômega-6.

Você também fica meio confuso com essa coisa de ômega-3/ômega-6, quem é do bem/quem é do mal?

Sem títuloPensando nisso tudo, reuni aqui algumas dicas legais para ajudar a equilibrar nossa alimentação:

1. Risque a margarina da listinha do supermercado!margarina

Tudo bem, é verdade que a margarina tem menos gordura animal que a manteiga e a gente vive evitando os alimentos amanteigados por aí. Mas não se pode esquecer que as margarinas são, em geral, feitas com óleo de girassol (70x mais ômega-6 que ômega-3), óleo de soja (7x mais) ou óleo de canola (apenas 3x mais, mas extremamente artificial e danoso – vale evitar SEMPRE!) como base. Isso sem falar na gordura trans, muitíssimo mais presente na margarina que na manteiga.

2. Prefira alimentos no lugar de industrializados

Li um livro uma vez cujo conceito era: Eat Food (Coma Comida, em português), simples assim. O ponto crucial é que, na verdade, a maioria do que comemos hoje em dia não é comida, no conceito do autor. Se algo está dentro de uma embalagem, a princípio, já merece questionamento. Mesmo assim, ele aconselha checar os ingredientes: qualquer nome impronunciável ou que você mesmo desconhece acusa um nível além do aceitável de química, ainda mais se houverem mais que 5 ingredientes na lista – a grande maioria dos alimentos saudáveis usam menos que isso na sua composição.

naturais

Eu sei, viver tão natureba assim exige um esforço quase sobrenatural na nossa sociedade, mas, acredite, vale a pena tentar. Os industrializados são, essencialmente, repletos de gordura trans, que é, basicamente, todos aqueles óleos já mencionados, só que modificados para se tornarem sólidos à temperatura ambiente. Essa transformação os torna ainda mais inflamatórios e menos digeríveis.

E, só pra endossar seus malefícios, mais um dado: em 2004, o Ministério da Saúde da Holanda chegou a um número de mortes devido ao consumo de gordura trans SUPERIOR ao número de mortes por acidente de carro no mesmo período.

3. Faça trocas inteligentes

montagem

O azeite de oliva substitui maravilhosamente bem os óleos desequilibrados em ômega-6. Nas receitas doces, use o óleo de coco no lugar dos demais. Por fim, prefira os orgânicos. No caso de carnes e ovos orgânicos, tente procurar rótulos que especifiquem “alimentação de pastagem” ou “rico em ômega-3”, porque, apesar da redução em pesticidas, hormônios e antibióticos, nem todos possuem equilíbrio do nível de ômega-3.

4. Se apaixone pela LINHAÇA

linhaca

Ela é a única semente do reino vegetal que possui mais ômega-3 que ômega-6, é recheada de fibras que atuam na liberação da glicose no sangue – o que reduz o acúmulo de gordura no corpo -, traz benefícios ao coração, ao intestino e ainda reduz o risco de câncer. Fantástica né? Não é à toa que essa sementinha é cultivada desde a Antiguidade, usada no pão que o povo romano comia.

A verdade, no fim das contas, é que esse desequilíbrio em ômega-6 presente na nossa alimentação se dá, infelizmente, por imposição da indústria alimentícia e prejudica drasticamente nossa saúde. No entanto, como para tudo há solução, podemos nos informar cada vez mais e passar a fazer escolhas mais saudáveis para trazer de volta a harmonia no nosso organismo. Dá pra ter um corpo saudável por dentro e por fora se tivermos consciência de que um é consequência do outro, e passarmos a cuidar de nós mesmos como um todo, saúde, estética e conhecimento!

Todos os dados e informações que usei nesse post foram providos de um livro fantástico que todo ser humano deveria ler: Anticâncer, de David Servan-Schreiber, um médico cientista que passou pela experiência de um câncer e aprendeu a lutar contra ele. Esse e outros livros vão ser recomendados aqui no blog, logo logo.

Meu beijo e vamos tentar comer direitinho!

Receitinha: Suflê de brócolis

Como fã assumida de brócolis, todo prato que tem esse verdinho no meio eu já presumo que seja uma delícia! Sendo assim, desde que vi essa receita super prática na internet, estava louca pra testar em casa e hoje finalmente o fiz. Como achei a receita meio pequena, adaptei pra aumentar e dar pra três pessoas. Deu certo! Então aí vai ela do jeitinho que eu fiz.

Ingredientes:

  • Brócolis cozido (usei um pacotinho inteiro, dá umas 3 xícaras depois de picado)
  • 3 colheres de sopa de creme de ricota
  • ovos inteiros
  • 2 colheres de sopa de farinha de amêndoas (bati a amêndoa no liquidificador mesmo)
  • Um fio de azeite
  • 1 colher de sopa de fermento
  • Sal e temperos à gosto

Modo de fazer:

Coloque o brócolis pra cozinhar numa panela de água fervente sem temperos, por mais ou menos 10min. Tire antes de ficar muito mole e corte em pedacinhos bem pequenos.

Photo 24-06-14 18 21 47Numa tigela à parte, misture a farinha de amêndoas com os ovos, o fermento e a ricota e bata com um garfo, depois despeje o brócolis na mistura. Acrescente sal e temperos a gosto.

Photo 24-06-14 18 27 24

A aparência não vai ser muito animadora, mas continue na fé!

Use um refratário que possa ser levado ao forno e unte-o com um fio de azeite. Deposite a mistura toda no refratário e leve ao forno por em média 30min, até ficar dourado e mais consistente.

Photo 24-06-14 18 30 41E voi là! Um suflê de brócolis prontinho!

Photo 24-06-14 19 29 57

Não sou lá muito boa na cozinha, então só me arrisco em receitinhas simples como essa. Deu pra notar que é bem fácil né? Olhando pro líquido de cor duvidosa do começo, até achei que não ia dar certo, mas no final todo mundo gostou! Eu achei gostoso mesmo sozinho, mas você pode comer com frango, quinoa, etc.. Dá uma ótima incrementada em qualquer refeição. Testem!

Beijo

Feirinha orgânica no Havaí

Em Kailua existem 2 feirinhas orgânicas chamadas The Farmer’s Market, onde tudo que é vendido é produzido aqui mesmo no Havaí e livre de todos aqueles produtos químicos que a gente tenta fugir nos supermercados. Elas acontecem semanalmente em dois lugares diferentes da cidade e juntam centenas de pessoas de todas as idades, seja pra comprar frutas e verduras fresquinhas, seja pra lanchar um hambúrguer mais saudável. O ambiente é tão legal que às vezes tem até um som de voz e violão no meio das mesinhas.

2014-05-22 17.38.09

Parte coberta da feirinha, no estacionamento de um Supermercado Orgânico da cidade

2014-05-22 17.35.44

Parte externa

E tem de tudo! Do alface ao sorvete, passando pela comida vietnamita (depois tem post sobre ela, simplesmente deliciosa!), pelo cheeseburguer, pela sobremesa com batata doce, pela limonada… Tem orgânico pra todos os gostos.

2014-05-22 17.34.56

2014-05-22 17.35.32

 

2014-05-22 17.36.20

Sem falar nas barraquinhas encantadoras de flores e mudinhas de tempero pra você plantar em casa, tudo muito bem cuidado. Levamos pra casa uma de hortelã, uma de tomilho e uma de cebolinha.

2014-05-22 17.36.16

2014-05-22 17.36.46

A barraca das mudinhas de temperos

Como só fui duas vezes e a segunda foi bem apressada, ainda não deu para experimentar muita coisa, mas o que provei tá aprovado! O hambúrguer orgânico é feito da carne dos bois criados na North Shore de Oahu, numas fazendas enormes que tem por lá. Eles não sofrem a tortura de uma criação para produção em massa e nós não sofremos os malefícios dos componentes químicos dos congelados. Não é muito light (até mesmo porque é bem grande!) nem agrada, claro, aos vegetarianos, mas como eu ainda não consigo me livrar totalmente da carne, é uma boa opção pra de vez em quando.

Photo 15-05-14 18 31 49

Photo 15-05-14 18 26 22

Outras opções de pratos com a mesma carne

Para sobremesa fui de “Banana Malassada”, uns pedacinhos de banana contornados de batata doce com açúcar. Pode me condenar, mas valeu a pena! Meu irmão sempre pede o mesmo pratinho, com uma folhinha verde levemente frita e um pedacinho de atum em cima (o molhinho ainda é uma incógnita kkk), igualmente delicioso.

Photo May 15, 6 50 30 PM

Outro detalhe legal é que eles dispõem de esteiras pra gente colocar no chão e poder sentar e comer.

Mais uma sobremesa de comer rezando é o Banana Bread. Vende junto com outros pães, cookies e guloseimas docinhas feitos somente com ingredientes naturais. Não dá pra comer toda hora como dá vontade, mas mata aquela vontadezinha de doce sem tanto peso na consciência.

2014-05-22 17.37.27

2014-05-22 17.36.57

A feirinha toda é muito legal, vale tanto pelo passeio quanto pelas compras e já é programa certo nas nossas quintas-feiras.

Procure uma feirinha orgânica perto da sua casa também e se jogue nas compras do bem!

Um beijo e aloha!

 

Food tips: Poke Bowl

Como falado no post anterior, uma comida bem típica aqui no Havaí é a Poke Bowl.

amandapost6

Originalmente, a poke bowl era feita com carne crua, retiradas as vísceras, pele e ossos, e servida com condimentos tradicionais, como sal marinho e algas (ou “limu” em havaiano). Com o tempo, condimentos da cozinha estrangeira foram sendo introduzidos, em especial os asiáticos e japoneses. Hoje, a cebola Maui também é bastante comum.

Photo May 12, 8 27 44 AMA poke bowl moderna também pode ser chamada de ‘ahi poke – ‘ahi denomina um tipo de atum no Havaí. Consiste em cubos de atum cru marinados com sal, molho de soja, óleo de gergelim, limu, pimenta chilli e inamona (condimento havaiano). Sem falar nas variações, que incluem salmão cru, camarão, polvo, etc.

O arroz também pode acompanhar, de preferência salpicado de furikake. Mais molhado e concentrado, facilita o uso dos palitinhos.

Além de tudo, ainda é super prático de fazer! Quer tentar? Você vai precisar de:

amandapost8

2 bifes de atum fresco, em cubos

1 xícara de molho de soja

3/4 xícara cebolinha picada

2 colheres de óleo de gergelim

1 colher de sopa de gergelim torrado

1 colher de sopa de pimenta vermelha esmagada (opcional)

2 colheres de sopa de macadâmia bem picada

Em uma tigela de tamanho médio (preferencialmente de plástico), combine o atum com molho de soja, cebola verde, óleo de gergelim, sementes de gergelim, pimenta, e nozes de macadâmia. Misture bem. Refrigere por pelo menos 2 horas antes de servir e adicione o arroz comum da culinária japonesa. Tá pronto! (receita tirada do http://www.allrecipes.com)

Não existem muitas informações nutricionais sobre o prato, mas já dá pra concluir que não é algo gorduroso e pesado, pode comer feliz.

Quem experimentar, não vai se arrepender!

Beijo